Ano de 1967

por Bruno publicado 10/03/2015 14h58, última modificação 07/05/2015 11h09
Homenageados no ano de 1967
Paulo Cruz Pimentel

Paulo Cruz Pimentel (Avaré, 7 de agosto de 1928) é um político brasileiro e ex-governador do Paraná. Estudou na infância e juventude em Avaré e depois em Botucatu. Cursou direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, formado em 1953. No Paraná, dirigiu uma usina de açúcar em Porecatu em 1955. No governo de Ney Braga, foi secretário da agricultura. Candidato a governador pelo Partido Trabalhista Nacional foi eleito em outubro de 1965. Na administração continuou com programas de expansão econômica, estendeu para o interior o serviço de luz e energia. Diversas usinas elétricas entre elas Capivari-Cachoeira, Júlio Mesquita e Salto Grande do Iguaçu. Promoveu financiamentos de empresas da indústria e outras companhias, ampliou a rede do Banestado. A saúde pública foi um dos setores que teve uma boa atenção, fez assentamentos rurais em termos pacíficos. Estimulou o desfavelamento e bons projetos de assistência social, obras públicas, agricultura, rodovias novas e pavimentação de muitas outras. Implantou a Telepar. Foi eleito deputado federal, tendo participado da Assemblélia Nacional Constituinte, de 1987. É um empresário na área de comunicações.

William Muller

O Reverendo William Muller foi tesoureiro e presidente do Instituto Cristão de Castro nos anos de 1964 e 1965.

Ney Amintas de Barros Braga

Ney Aminthas de Barros Braga (Lapa, 25/07/1917 - 16/10/2000) foi um militar e político brasileiro. Foi prefeito de Curitiba, deputado federal, senador e governador do estado do Paraná. Foi também Ministro da Agricultura, Ministro da Educação e Presidente da Itaipu Binacional. Entre 1922-1923, iniciou o curso primário no Colégio São José, aos cinco anos. Aos seis, ainda no município de Lapa foi para o Grupo Escolar Dr. Manuel Pedro. Entre 1928 e 1934, fez o curso secundário. Teve uma passagem rápida pelo Colégio Novo Ateneu, em Curitiba. Depois de ganhar bolsa de estudos dos padres lazaristas, iniciou estudos no internato do Ginásio Paranaense (atual Colégio Estadual do Paraná), onde foi colega de Jânio Quadros, futuro presidente do Brasil. Entre 1935 e 1937, ingressou na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, com 18 anos. Em 1938, voltou a Curitiba como aspirante a oficial e, aos 22 anos casou-se, pela primeira vez, com a Sra. Maria José Munhoz da Rocha, filha do ex-governador Caetano Munhoz da Rocha (1920-1928) e irmã de Bento Munhoz da Rocha Neto (futuro governador do estado do Paraná entre 1951 a 1955). Maria José faleceu em 1944. Em fins de 1940, foi promovido a primeiro-tenente. Foi instrutor de Educação Física e de Topografia e técnica de tiro de Artilharia no terceiro regimento de artilharia montada de Curitiba. Também foi instrutor do Centro de Preparação de Oficiais de Reserva (CPOR) nessa primeira metade dos anos 40. Em 1944, foi promovido a capitão. Entre 1945 e 1948, voltou para o Rio de Janeiro para estudar na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (Realengo) para fazer o curso de aperfeiçoamento de oficiais. Em 1949, retorna a Curitiba e casa, pela segunda vez, agora com Dna. Nice Camargo Riesemberg com quem viverá até seus últimos dias. Em 1950 no terceiro Regimento de Artilharia Montada de Curitiba (agora com sede no B. Boqueirão) foi promovido a major. Em 1953, recebe o convite de três vereadores de Curitiba para ser candidato a prefeito da capital do Paraná. A indicação foi do então prefeito Ernani Santiago de Oliveira e obteve o importante apoio do governador Bento Munhoz da Rocha Neto. Mesmo sem estar filiado a qualquer partido, Ney Braga vence as primeiras eleições diretas para prefeito de Curitiba em 1954. O município tinha aproximadamente 200 mil habitantes. Obteve 18.327 votos (28,7% do total). Antes dele os prefeitos eram nomeados pelo Governador. Ney Braga assume a prefeitura de Curitiba em 15 de novembro. Em 1957 o Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM), homenageia Curitiba com o primeiro lugar no prêmio “Os dez municípios brasileiros de maior progresso”. Ney Braga foi a Brasília receber das mãos do presidente Juscelino Kubitschek a homenagem. É o primeiro grande destaque de sua carreira política. Em 1958, encerra-se o mandato do Prefeito de Curitiba. Dentre suas ações na prefeitura destacam-se: reorganização do cadastro fiscal e a identificação de 35 mil propriedades que nunca haviam sido tributadas, eletrificação nos bairros, divisão da cidade em cinco zonas fiscais concêntricas, criação do Mapa de Valores Tributários e do Departamento de Planejamento e Urbanismo. Ney Braga assinou a lei que cria o Mercado Municipal de Curitiba (14 de outubro de 1955). Ele foi o responsável pela regulamentação do transporte urbano com a criação de linhas e horários fixos e a pavimentação dessas linhas que ligavam o centro aos bairros, em especial a ligação do centro com o bairro de Santa Felicidade, pela construção da Estação Rodoviária, criação de escolas municipais nos bairro e instalou telefones automáticos, abolindo a central de chamadas.