Ano de 2019

por Bruno publicado 13/03/2015 13h35, última modificação 01/06/2021 13h48
Homenageados do ano de 2019

Eduardo Alves Rosa (DUDU)

Eduardo Alves Rosa, filho de José Alves Rosa e Belmira Carvalho Silvestre, nasceu em 02 de junho de 1941, na cidade de Santo Antônio da Platina, no Paraná. Viveu sua infância e adolescência em Ribeirão do Pinhal, Paraná, onde residiu até os 20 anos. Casado hoje com a Sra. Marli Rodrigues de Quadros, tem quatro filhos, Márcia Fanha Rosa, Marcela Valenga Rosa, José Augusto Fanha Rosa e Sarita Rosa. Um homem trabalhador, Sr. Eduardo iniciou sua jornada de trabalho desde cedo, aos 10 anos, no setor rural, na roça Ribeirão do Pinhal. Em 1962 se instalou em Castro, aos 21 anos de idade, dando início a sua trajetória castrense trabalhando nas lojas Pernambucanas, onde prestou serviço por sete anos. Em seguida, em 1970 trabalhou no bar Santo Antônio por dois anos onde operou até 1972. Logo após, dando início ao seu empreendedorismo, iniciou sua temporada no comércio, inaugurando o “Bar do Pascoal”, empreendimento este que teve grande importância à memória castrense até os dias de hoje, atendendo seu público por três anos e meio. E, 1975 abriu o idealizado e celebrado restaurante e lanchonete “Lanches Dudu”, lanchonete que é marca registrada na cidade de Castro, recebendo clientes e fregueses de Castro e região, sendo reconhecido e considerado pela população castrense como “Rei do X”. Homem trabalhador, religioso e de coração bom, conseguiu realizar sua vida em Castro, tendo adotado a cidade em seu coração para morar, trabalhar e fazer história.

Flaubert Echnaton Ribas Bourguignon

Filho de Edna Marisa Ribas Bourguignon e de Carlos Renato Bueno Bourguignon, nasceu em 20 de novembro de 1973, na cidade de Ponta Grossa, Paraná, cidade onde permaneceu até o ano 1977. Neste ano seus pais mudaram para a cidade de Castro, onde terminou sua infância e permaneceu até concluir, na época, o 2º grau, no então Colégio São José e Colégio Vespasiano, permanecendo na em Castro até o ano de 1991. Em 19 de fevereiro de 1994, ingressou nas fileiras do Exército Brasileiro, tornando-se aluno da Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx), única porta de entrada para a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), sediada em Resende, estado do Rio de Janeiro.           Em 23 de janeiro de 1995 apresentou-se na AMAN, oriundo da Escola de Cadetes, local onde permaneceu por um período de quatro anos. No dia 28 de novembro do  ano de 1998 foi declarado Aspirante a Oficial da Arma de Infantaria, sendo designado para servir no 20º Batalhão de Infantaria Blindado, sediado em Curitiba. Nesse período, foi promovido ao posto de Segundo Tenente e Primeiro Tenente e pode colocar em prática os conhecimentos militares adquiridos na AMAN, realizar o Estágio Tático de Blindado, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, aprofundando-se no conhecimento da viatura de combate orgânico daquele quartel. No ano de 2002 foi convidado para ser instrutor do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva de Belo Horizonte (CPOR/BH), sendo movimentado para a referida escola no início de 2003. Data em que casou-se com a Sra Consuelo Menarim Bourguignon, a qual também é de família castrense e permanece casado até os dias atuais. Do ano de 2003 até 2006, desempenhou a função de instrutor daquele estabelecimento de ensino, auxiliou na formação de quatro turmas de oficiais da reserva. Foi promovido ao posto de Capitão e teve oportunidade de realizar os estágios de Pronto Socorrismo e Resgate pela Cruz Vermelha Brasileira, filial Minas Gerais e o Estágio Básico de Escalador Militar, no 12º Batalhão de Infantaria, sediado na mesma cidade. Em 2007, foi realizar o curso de aperfeiçoamento na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO), sediada na cidade do Rio de Janeiro, RJ, curso esse equiparado a uma pós-graduação, com duração de 10 meses. Ao término, foi designado para servir no 13º Batalhão de Infantaria Blindado (13º BIB), sediado na cidade de Ponta Grossa, onde permaneceu com sua família até o ano de 2014. No ano de 2010, foi selecionado para desempenhar a função de Observador Militar na Missão das Nações Unidas para o Referendo no Saara Ocidental (MINURSO), por um período de doze meses, com início previsto para a 2ª quinzena do mês de julho de 2011. Nesse ano em particular, morou em instalações localizadas no meio do Deserto do Saara, junto a militares de outras Nações, entre elas destaca-se: França, Hungria, Iêmen, Egito, Malásia, China, Bangladesh, Nepal, Rússia, Honduras, Paraguai, Uruguai e Argentina. Ao retornar da missão, em agosto de 2012, foi promovido ao posto de Major e permaneceu no 13º BIB até o ano de 2014. Em 2015 foi transferido para o Quartel General da 5ª Região Militar, sediado em Curitiba, permanecendo até os dias atuais.

 

Popke Ferdinand Van der Vinne (Fredy)

Uma vida dedicada ao Cooperativismo. Assim pode ser descrita a vida do Senhor Popke Ferdinand van der Vinne, mais conhecido como Seu Fredy. Nascido no dia 5 de julho de 1948, na cidade de Krim, Holanda, ainda muito jovem, aos quatro anos de idade, imigrou para o Brasil, mais especificamente para a cidade de Castro, onde passou a viver na recém fundada Colônia de Castrolanda. Foi aqui, em nossa cidade, que Seu Fredy cresceu, construiu sua família e sua carreira profissional. A adaptação ao novo país e a cidade foi natural, sem problema algum. Aqui ele estudou na Escola de Castrolanda, Instituto Cristão e Colégio Carlos Decker, se formando como técnico contábil. Em 13 de dezembro de 1965, conquistou o seu primeiro emprego. Aos 17 anos, passou a exercer a função de auxiliar administrativo na Cooperativa Castrolanda. Na época, o jovem Fredy não imaginava que ficaria ali até se aposentar e chegaria a exercer importantes cargos de chefia. Segundo ele, nunca imaginou que construiria a sua carreira na Cooperativa, mas o tempo foi passando, ele foi permanecendo e evoluindo dentro da empresa. Foram vários os setores em que ele trabalhou. De auxiliar administrativo passou para assistente administrativo, depois gerente administrativo, gerente administrativo financeiro, gerente geral, assessor de diretoria, gerente geral, diretor industrial e, por fim, diretor executivo, cargo que exerceu até o ano de 2018, quando, aos 70 anos, se aposentou. Durante todo esse tempo, Fredy também pode acompanhar o crescimento da Cooperativa Castrolanda. Ele conta que quando começou a trabalhar ali, pensava que era uma empresa muito grande, pois, na época, as empresas eram pequenas e não circulava a mesma quantidade de dinheiro que atualmente. Porém, a Castrolanda de 1965 não era nem perto da empresa que é hoje, com o tamanho, respeito e valor de mercado. No entanto, nem sempre tudo foi positivo. Um dos momentos que marcaram a carreira de Fredy foi o ano de 1994 que, economicamente, foi um ano bastante difícil devido a introdução do Plano Real. Ele recorda que muitos produtos perderam valor comercial devido ao novo plano e muitos produtores não conseguiram honrar seus compromissos com a Cooperativa, mas com muito planejamento e apoio da Castrolanda aos produtores, juntos conseguiram passar por essa transição da economia e se recuperarem em poucos anos. Todavia, com certeza, foi um dos momentos mais difíceis dele dentro da Cooperativa, relembra. Sempre trabalhando com transparência, dedicação e afinco, Seu Fredy conquistou o respeito de todos dentro da Cooperativa. Tanto que muitos temiam como seria a empresa após a aposentadoria dele. No entanto, Fredy não abandonou a Cooperativa, ainda hoje, participa de algumas reuniões e auxilia em assuntos pontuais. O trabalho bem feito fez com que em 2006, Fredy fosse convidado para atuar também no Sicredi Campos Gerais, primeiro como parte do conselho fiscal e, atualmente, como Presidente do Sicredi regional. E foi no banco em que ele viveu um dos momentos marcantes da sua vida. Em 2015, foi inaugurada a sede do Sicredi na Praça Manoel Ribas, onde era o antigo Cine Plaza. Acostumado a discursar em reuniões e dirigir as mesmas, dessa vez teve que falar em praça pública, um local que ele costumava ir para se divertir quando jovem. Atualmente, seu Fredy é casado com a Senhora Janete Federica van den Boogaard van der Vinne e teve três filhos (Viviane Regina van der Vinne da Silva, Marco Ernani van der Vinne e Taísa Helena van der Vinne) e cinco netos. Apesar de já ter conhecido diversos locais como Holanda, Europa, Estados Unidos e Chile, jamais pensou em sair e deixar Castro. Segundo ele, isso acontece pelo bem-estar proporcionado pela cidade, pois aqui ele se sente em casa e foi a cidade que o acolheu e proporcionou todas as condições para que ele conseguisse construir sua vida.