Vereadores aprovam ingresso de Castro no Cimsamu

por Thiago Terada publicado 18/07/2019 14h20, última modificação 18/07/2019 14h20
Projeto de autoria do Poder Executivo, foi aprovado por unanimidade durante sessão extraordinária da Câmara Municipal

Os vereadores da Câmara Municipal de Castro, se reuniram extraordinariamente na manhã desta quarta-feira (17), para votar projetos de urgência. Entre eles estava o projeto de autoria do Poder Executivo Municipal que autoriza o ingresso do município de Castro no Consórcio Intermunicipal Samu Campos Gerais (CimSamu) que foi aprovado por unanimidade pelos vereadores presentes.

Com a aprovação da lei, a Prefeitura de Castro poderá, agora, aderir ao Consórcio que já conta com a participação de diversos Municípios da Região e que busca o fortalecimento da infraestrutura de saúde nos municípios, ao integrar as diversas instituições públicas e privadas para melhor operacionalizar as atividades no setor.

A Secretária Municipal de Saúde, Maria Lídia Kravutschke, explicou os benefícios para Castro e comemorou a aprovação do projeto. “Vamos receber uma nova ambulância e, por sermos a sede, receberemos uma estrutura de suporte avançado. Com isso, reduziremos o tempo resposta para o atendimento de casos de emergência. Portanto, a adesão ao consórcio é fundamental para salvar vidas”, disse.

Além do Cinsamu, também estava na pauta o veto do Poder Executivo ao projeto de lei que que promove alterações na Lei 2973 de 2014 que dispõe sobre a política municipal dos direitos da criança e do adolescente, conselho municipal, fundo municipal e conselho tutelar. De autoria da vereadora Fátima Castro (MDB), o objetivo do projeto é corrigir a súmula da lei e adequar a legislação local à lei nacional.

O projeto, aprovado por unanimidade, foi encaminhado para o Prefeito Municipal que vetou a proposição, alegando que o Conselho Municipal dos direitos da Criança e do Adolescente estava estudando sobre o tema abordado na Lei e que o mesmo não foi consultado durante a elaboração do Projeto. No entanto, após votação secreta, sete vereadores votaram pela rejeição do veto, dois pela manutenção e três em branco. Com isso, o veto foi rejeitado e o projeto foi mantido.

Os vereadores também aprovaram a doação de móveis que não estavam sendo utilizado pelo Poder Público Municipal para a Casa da Criança e do Adolescente Padre Marcelo Quilici.