Aprovado projeto que dá título a Antenor Quintiliano Telles

por Helcio Luiz W Kovaleski publicado 19/05/2020 22h05, última modificação 19/05/2020 22h08
A vereadora Fatima Castro, presidente da Casa, usou a tribuna para falar sobre título rejeitado de Cidadã Benemérita à deputada federal Aline Sleutjes

O Plenário da Câmara Municipal de Castro aprovou, em segundas discussão e votação, e por unanimidade, na sessão ordinária de segunda-feira (18), o Projeto de Lei 15/2020, que concede título de Cidadão Honorário de Castro a Antenor Quintiliano Telles. A proposição, de autoria da vereadora Fatima Castro (MDB), presidente da Casa, segue, agora, para sanção (ou veto) do prefeito Moacyr Elias Fadel Junior (Patriota).

Conforme a justificativa da proposição, Antenor Quintiliano Telles nasceu em Ponta Grossa, em 1967. Formou-se em Fisioterapia pela Universidade Tuiuti do Paraná (UTP). Desde 1977, sempre esteve ligado à área esportiva, onde atuou na modalidade de Futsal em competições municipais, estaduais e nacionais, até 1994. (Mais informações sobre a biografia de Telles, leia na matéria abaixo).

Terceira

Pela terceira vez consecutiva, a Câmara realizou sessão ordinária mista. Participaram presencialmente da sessão, no Plenário, os vereadores Fatima Castro; Maurício Kusdra (PSB), primeiro-secretário; Rafael Rabbers (PTC), segundo-secretário; Dirceu Ribeiro (Podemos); Gerson Sutil (PSC); Luiz Cezar Canha Ferreira (DEM); Miguel Zadhi Neto (Patriota); e Paulo Cesar de Farias (PSD). De suas casas, por videoconferência, participaram o vice-presidente Herculano da Silva (DEM); Jovenil Rodrigues de Freitas (Podemos); José Otávio Nocera (Patriota); Joel Elias Fadel (Patriota); e Antonio Sirlei Alves da Silva (DEM).

Conforme a Resolução 04/2020, não apenas os projetos de lei, mas também a ata da sessão do último dia 11 e todos os requerimentos, passaram por votação nominal. A ata foi aprovada por unanimidade. No expediente, Maurício Kusdra e Rafael Rabbers leram os ofícios do Executivo enviados à Câmara, como algumas respostas a requerimentos dos vereadores, e as proposições da ordem do dia. Ao todo, foram sete requerimentos e duas indicações.

Após a leitura do expediente, Fatima Castro pediu que Maurício Kusdra assumisse a Presidência para que ela pudesse utilizar a tribuna no Pequeno Expediente, uma vez que o vice-presidente, Herculano da Silva, estava em casa; e pediu para que Paulo Cesar de Farias assumisse a Primeira-Secretaria “ad hoc”. Kusdra, então, concedeu o tempo de 20 minutos para a fala de Fatima (leia matéria abaixo).

Durante o pronunciamento de Fatima, Maurício Kusdra interrompeu a sessão por cinco minutos para que fosse criado novo link da transmissão por videoconferência, uma vez que tinha vencido o tempo de 40 minutos determinado pelo aplicativo Zoom. Retomada a fala, Fatima continuou seu discurso. No final, Kustdra fez o agradecimento de praxe à vereadora. Fatima, então, voltou à Mesa, agradeceu ao vereador Paulinho de Farias e também a Kusdra. Na sequência, ela pediu para que Rafael Rabbers fizesse a chamada nominal dos vereadores para a verificação de quórum.

Recomposição

Na ordem do dia, Fatima Castro encaminhou às comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e de Finanças e Orçamento (CFO), para emissão de pareceres, os seguintes projetos de lei: 24/2020 (substitutivo), de Maurício Kusdra, que determina a presença de intérprete da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e/ou legendas em todos os pronunciamentos públicos oficiais on-line do município; 25/2020, de Fatima Castro e Luiz Cezar Canha Ferreira, que institui a obrigatoriedade de identificação nos veículos oficiais ou a serviço da administração pública municipal; 26/2020, do Executivo, que autoriza a Prefeitura a abrir crédito adicional especial no valor de R$ 118.896; e 27/2020, da Mesa Executiva, que concede recomposição aos servidores da Câmara Municipal de Castro. Em seguida, Fatima nomeou o vereador Herculano da Silva como membro “ad hoc” da CCJ para análise do PL 25/2020.

Na sequência, Maurício Kusdra leu requerimento de urgência que previa discussão e votação únicas, na mesma sessão, do Projeto de Lei 27/2020 – com base no artigo 106, parágrafo 2º, do Regimento Interno. A proposição concede recomposição salarial de 3,31% aos servidores do Legislativo, conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado nos últimos 12 meses, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Colocado em votação, o requerimento foi aprovado por unanimidade. Ato contínuo, com pareceres favoráveis da Assessoria Jurídica, da CCJ e da CFO, e colocado em discussão e votação únicas, o Projeto de Lei também recebeu aprovação unânime.

Requerimentos

Ainda na ordem do dia, o Plenário aprovou por unanimidade sete requerimentos. O Requerimento 81/2020, de José Otávio Nocera, pede ao prefeito Moacyr Elias Fadel Junior (Patriota) e ao secretário municipal de Obras, Serviços Públicos e Meio Ambiente, Paulo Nocera, informações quanto à existência de planejamento que prevê pavimentação asfáltica no bairro Jardim São Francisco. “Conforme informações solicitadas à minha pessoa, quero saber se existe algum programa para fazer a manutenção e o melhoramento do asfalto do São Francisco. Eu tenho certeza de que o prefeito já tem essa programação”, disse Zé Nocera, na discussão do projeto.

O Requerimento 82/2020, de Rafael Rabbers, solicita ao prefeito informações referentes à contratação de empresa especializada na prestação de serviços para pesquisa quantitativa de opinião pública para o município. O 83/2020, de Joel Elias Fadel, requer ao prefeito informações sobre a possibilidade de aquisição de terreno para implantação de novos cemitérios, na cidade. Na discussão da matéria, Joel lembrou que, há alguns anos, o município sofre com a falta de jazigos, e citou o Cemitério Frei Mathias, que, segundo ele, por várias vezes passou por ampliação. “Está chegando a um ponto [em] que não tem mais aonde ir. O cemitério da Vila Rio Branco está totalmente tomado. [...] Não há nem terreno à venda [...], numa cidade com 72 mil habitantes”, afirmou.

O Requerimento 84/2020, também de Joel, pede ao secretário municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano, Emerson Gobbo, informações sobre recursos federais destinados ao município através de emendas parlamentares da deputada federal Aline Sleutjes (PSL), no período de janeiro de 2019 a maio de 2020. “A gente mede as ações do deputado pelas verbas que vêm para o município”, disse Joel, observando que não existe confirmação, por parte do Executivo, de verba destinada por Aline.

Zé Nocera afirmou que Aline “não perdeu o reconhecimento” do seu trabalho pelo fato de não ter sido aprovado o Projeto de Lei 08/2020, que lhe concedia título de Cidadã Honorária, na sessão do último dia 11. Mas repetiu que “é muito cedo, ainda [para ela receber o título]”, uma vez que Aline “tem dois anos como deputada”. “Não é o momento, agora. [...] Futuramente, eu vou votar a favor de um título pra ela, com certeza. [...] Eu acredito no trabalho dela, é uma batalhadora, é uma mulher que representou muito o município de Castro e está representando. O futuro está aí pra ela”, disse.

Antes da aprovação desse requerimento, Fatima interrompeu novamente a sessão, por cinco minutos, para que fosse criado novo link de transmissão. Retomada a sessão, Fatima pediu para que os vereadores que estavam em casa se aproximassem mais de seus microfones, uma vez que “quem está acompanhando de casa reclamou que não conseguiu entender as falas”.

O Requerimento 85/2020, de Miguel Zadhi Neto, solicita Voto de Congratulações aos profissionais de Enfermagem, pela passagem do seu dia, comemorado em 12 de maio. O Requerimento 86/2020, de Maurício Kusdra, pede ao prefeito e ao secretário Paulo Nocera informações sobre o poço artesiano no bairro Santa Clara. Por fim, o Requerimento 87/2020, de Fatima Castro, também requer Voto de Congratulações aos assistentes sociais pela comemoração de seu dia, comemorado na última sexta-feira (15). Conforme a súmula da proposição, essa certificação deverá ser endereçada à secretária municipal da Família e Desenvolvimento Social, Ana Carolina Barros.

Em primeiras discussão e votação, estava prevista a análise do Projeto de Lei 06/2020, de Gerson Sutil, que proíbe a fabricação, comercialização, manuseio, utilização, queima e soltura de fogos de estampidos e de artifícios, assim como de quaisquer artefatos pirotécnicos de efeito sonoro ruidoso no município. Mas a proposição foi retirada por pedido de vista feita pelo vereador Paulo Cesar de Farias, pelo prazo de cinco dias.

Após a ordem do dia, Fatima Castro convocou a CFO “e os demais vereadores” para a audiência pública de apresentação do cumprimento das metas relativas ao primeiro quadrimestre deste ano, na próxima segunda-feira (25), às 17 horas, no Plenário, “mas de forma mista, com vereadores presentes e vereadores por videoconferência”. Em seguida, Fatima passou à Palavra Livre, momento em que seis vereadores se manifestaram: Maurício Kusdra, Dirceu Ribeiro, Miguel Zadhi Neto, Joel Elias Fadel, Luiz Cezar Canha Ferreira e a própria Fatima. No final, a vereadora convocou Paulo Cesar de Farias para fazer a homenagem à Bandeira Nacional, na sessão ordinária da próxima segunda-feira (25).

***

‘Foi uma decisão lamentável para Castro’

Em sua fala na tribuna, durante o Pequeno Expediente, no início da sessão ordinária de segunda-feira (18), a vereadora Fatima Castro (MDB), presidente da Câmara, leu um manifesto intitulado “Resposta para as manifestações referente ao Projeto de Lei 08/2020” – que concede título à deputada federal Aline Sleutjes (PSL). A proposição, de autoria da vereadora, foi rejeitada por sete votos contrários e seis favoráveis na sessão do último dia 11.

“Para mim, foi uma decisão lamentável para Castro, que perde uma grande oportunidade de reconhecer os trabalhos prestados no cenário da política local e nacional, haja vista que a deputada Aline vem sendo reconhecida por seus trabalhos em outros municípios”, disse Fatima. “E aqui, [na] cidade onde ela nasceu e [a quem] dedica seus trabalhos, recebe a rejeição. E, pior, acompanhada de manifestações que considero extremamente infelizes, conforme vou passar a expor”, continuou.

Fatima disse concordar com o vereador Maurício Kusdra (PSB), primeiro-secretário da Câmara, quando disse, na última sessão, “que se trata de um voto político”. “No entanto, não há que se falar em ‘momento oportuno’ para o reconhecimento dos trabalhos e da dedicação de um cidadão castrense, considerando que os serviços prestados a Castro não desaparecem na história”, argumentou.

“Ao analisar uma honraria desta magnitude, entendo que o vereador deve considerar, sim, os serviços realmente efetivados, assim como pontuou o senhor vereador José Otávio Nocera, em sua intervenção durante a votação do projeto, pois o título de Cidadão Benemérito torna o cidadão uma pessoa de destaque no município, e se trata de um título permanente”, continuou Fatima. “Mas não há como admitir que se bradem inverdades nesta Casa de Leis; é de conhecimento geral que, durante sua trajetória política de 20 anos, trabalhando pela coletividade castrense, a deputada Aline realizou, e muito, por nosso município”, observou.

Na sequência, Fatima disse reconhecer a autonomia de voto dos demais vereadores. “No entanto, me senti provocada a esclarecer alguns pontos, a fim de que não restem obscuridades sobre este projeto”, disse. Citando a justificativa do Projeto de Lei de sua autoria, Fatima lembrou que Aline Sleutjes “possui uma caminhada política de destaque e reconhecimento, não só em Castro, mas a nível estadual e nacional”. “O fato de a deputada defender seus posicionamentos para este ou aquele lado não pode significar apagar todo o seu trabalho prestado. Seria, no mínimo, injusto e ingrato de nossa parte apagar arbitrariamente todos os esforços da deputada em razão de suas inclinações políticas. Como bem pontuou a deputada durante sua entrevista [à Rádio MZ FM, de Ponta Grossa, no último dia 14], ela foi a primeira deputada mulher [...] eleita para um mandado em âmbito federal em 315 anos da política castrense”, observou.

Por certo, senhor vereador José Otávio Nocera, as emendas passam por um longo caminho até que possamos efetivamente ver os resultados, dependendo, inclusive e principalmente, do interesse na aplicação destas verbas por parte do Poder Executivo Municipal”, destacou Fatima. “Mas, novamente, estas emendas e demais trabalhos realizados demonstram de forma suficiente o mérito da deputada federal, independentemente dos atos do Poder Executivo Municipal. O fato é que esta verba foi destinada ao município de Castro. Evidenciando-se que as ações políticas da deputada Aline independem dos interesses e posicionamentos políticos individuais, mas considera as demandas coletivas do município”, argumentou.

Redes sociais

Fatima Castro lembrou que, durante sua fala, na sessão do dia 11, Maurício Kusdra mencionou que acompanha a deputada Aline Sleutjes em suas redes sociais. “Pois bem, eu também acompanho. Independentemente de também divergir do posicionamento político e de alguns ideais adotados pela deputada, o que vejo em suas redes sociais é que seus esforços são sempre em prol do povo brasileiro e do estado do Paraná, principalmente em benefício do nosso município”, afirmou. “Em tempos em que a política é demonizada por todos os lados, precisamos reconhecer e valorizar os bons políticos”, justificou.

Mais uma vez referindo-se a Kusdra, Fatima, novamente, disse, que concorda com o vereador, “que publicou em suas redes sociais que os profissionais da saúde merecem reconhecimento pelos trabalhos realizados”. “Mas faço, aqui, um adendo: o reconhecimento do esforço e dedicação de um cidadão de forma alguma pode significar o desmerecimento dos demais. O fato de uma homenagem ser concedida à deputada não detrai, não anula e nem menospreza o trabalho dos profissionais da saúde e nem de outras áreas”, observou. “Os profissionais da saúde são merecedores, sim, de homenagens e das mais altas honrarias, tanto pelos trabalhos realizados na linha de frente no combate à covid-19, quanto [...] fora do período de pandemia”, complementou.

Por fim, Fatima relembrou que a cidade de Castro, nos últimos cem anos de história, contou com apenas dois cidadãos que ocuparam cargos elevados na esfera federal: Vicente Machado e Francisco Xavier da Silva, “ambos senadores”. “Por isso, pessoalmente, considero que Castro perde uma excelente oportunidade de, neste momento, enaltecer uma cidadã de relevância para o município. Lamento que não se reconheça o valor que esta mulher teve e tem à frente das políticas de benefício direcionadas a Castro”, disse.

***

Antenor Telles passou por Figueirense e Coritiba

Antenor Quintiliano Telles, que irá receber título de Cidadão Honorário de Castro, conforme o Projeto de Lei 15/2020, aprovado na sessão de segunda-feira (18), já passou por dois importantes times de futebol do Sul do País: Figueirense e Coritiba.

Em 1996, Telles especializou-se em Fisioterapia Ortopédica, Traumatologia e Desportiva. Na área de fisioterapia desportiva, iniciou sua atividade no Figueirense Futebol Clube, onde permaneceu por dois anos.

Em 2001, Telles teve uma breve passagem pelo Coritiba Futebol Clube, onde, nesse mesmo ano, recebeu convite para lecionar na Universidade do Contestado (Campus Concórdia, SC) como professor na área de Fisioterapia Ortopédica, Traumatologia e Desportiva. Foi o idealizador de uma parceria entre a universidade e a Fundação Municipal de Esportes, com o intuito de divulgar o trabalho da fisioterapia desportiva, aperfeiçoar a prática dos acadêmicos do curso e, ao mesmo tempo, contribuir para um melhor desenvolvimento das equipes esportivas da fundação e do município, nas mais diversas competições estaduais e nacionais. Como, por exemplo, nas competições Olímpiada Estudantil de Santa Catarina, Joguinhos e Jogos Abertos (SC), Taça Brasil de Futsal, Campeonato Brasileiro Juvenil de Handebol e, também, nos Jogos Universitários Brasileiros, onde atuou como fisioterapeuta oficial da delegação catarinense.

Quando esteve em Concórdia, Telles participou, como fisioterapeuta, da Seleção Olímpica Brasileira de Handebol Feminino, na preparação para as Olimpíadas de Atenas (em 2004). Também teve destaque o seu atendimento ao atleta Falcão, da Seleção Brasileira de Futsal, eleito o melhor jogador do mundo, na modalidade.

Antenor Telles ainda participou ativamente do processo de formação da Associação Atlética Universitária de Concórdia, entidade que vem contribuindo para o desenvolvimento do desporto universitário, em aliança com a comunidade. Dessa associação, foi criada, em 2005, a equipe de handebol feminino dirigida pelo técnico da Seleção Brasileira Alexandre Schneider, que não vem somente representando a universidade, como também o município, e vem conquistando inúmeros títulos.

Telles tornou-se uma referência internacional no esporte. Foi convidado para ser o vice-presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol de Salão (CSFS), fundada em 1964 – a mais antiga e tradicional entidade do mundo. Em 2020, Antenor Telles foi eleito presidente da Federação de Futsal AMF do Brasil – (CFSB), para um mandato de três anos. Neste primeiro ano, Telles conduzirá o Brasil para dois mundiais: Paraguai C-15 e Uruguai ou Colômbia C-17.