Plenário concede título de Cidadão Honorário a Frans Borg

por Helcio Luiz W Kovaleski publicado 18/11/2020 18h30, última modificação 18/11/2020 18h31
Câmara realizou sua 25ª sessão ordinária mista, conforme Resolução 04/2020 (Foto: Valdivino Mariano)

O Plenário da Câmara Municipal de Castro aprovou, na sessão ordinária da última segunda-feira (16), a concessão do título de Cidadão Honorário de Castro ao engenheiro agrônomo, empresário e produtor rural Frans Borg, que presidiu a Castrolanda Cooperativa Agroindustrial durante 24 anos. O Projeto de Lei 78/2020, que concede a honraria, é de autoria do vereador Rafael Rabbers (PTC), segundo-secretário da Casa, e foi aprovado por unanimidade e em segundas discussão e votação.

A vereadora Fatima Castro (MDB), presidente da Câmara, havia designado o vice-presidente, Herculano da Silva (DEM), como membro “ad hoc” da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para analisar o projeto. Na sessão do último dia 9, a proposição recebeu pareceres favoráveis da Procuradoria Jurídica e da CCJ.

“Fico feliz de poder propor [...] um título honorário para essa pessoa que [...] se tornou uma referência no agronegócio”, disse Rabbers, durante a discussão do projeto, na sessão do dia 9. Ele destacou o fato de que Frans Borg foi citado entre as cem pessoas mais influentes do agronegócio pela revista Dinheiro Rural. “Com certeza, [Borg] deixou seu legado, e vai deixar”, afirmou.

Antonio Sirlei Alves da Silva (DEM) parabenizou o colega pela iniciativa do projeto e contou que conhece Borg há 42 anos, e que ele próprio trabalhou na Castrolanda, entre 1978 e 1981. “Ele [Borg] era o agrônomo responsável pela agricultura da cooperativa. Eu chegava às 7h30 e ele já estava saindo para ir a campo. Frans é um monstro do trabalho. É bom que se registre esse fato na nossa história”, relatou Sirlei, destacando que Borg “promoveu a colocação de Castro, no Brasil, como grande produtor de produtos agropecuários”.

Valores

Frans Borg nasceu em 1951, em Bourtange, cidade localizada na província de Groningen, na Holanda, e imigrou com a família, aos dois anos de idade, para Castro. Casado com Angela Maria Verschoor, Frans Borg tem três filhos – Rodrigo, Pablo e Cynthia – e sete netos. “Filho de uma família cristã praticante e com cinco irmãos, desde sempre aprendeu os valores que auxiliaram na sua formação e a entender até onde vão os direitos e deveres das pessoas”, informa Rafael Rabbers, na justificativa do projeto.

Borg iniciou os estudos na escola da Castrolanda, em 1957, e depois estudou no Colégio Instituto Cristão. “Posteriormente, ingressou no curso de Agronomia e destaca que foi uma oportunidade única dada por Deus, pois, àquela época, o ensino superior era algo para poucos. Para ele, a educação é de extrema importância e destaca que é um dos três pilares da Castrolanda, junto com a igreja (religiosidade) e a cooperativa (economia). A formatura foi em dezembro de 1974 e, no ano seguinte, Borg conseguiu um emprego na Cooperativa Castrolanda na assistência agronômica, justamente em um período em que a agricultura estava no início da sua expansão”, continua a justificativa.

Conforme informações prestadas pelo próprio Borg a Rabbers, naquela época, a área total planada pelos cooperados era apenas de 1,8 mil hectares, “e foi a atividade que cresceu muito nas décadas de 70 e 80”. Borg presidiu a Castrolanda de 1996 a dezembro de 2019, “sendo sempre reconhecido pela sua competência, honestidade e defesa do cooperativismo”. “Ele destaca que, apesar de não ter recordações, pois era muito novo, o grupo era muito bem organizado e havia um planejamento para desenvolver uma cooperativa e cada migrante sabia de seus direitos e deveres dentro do grupo. Ou seja, a organização, planejamento, compromisso mútuo e responsabilidade foram essenciais para o sucesso da formação da Castrolanda, mas, mesmo assim, houve adversidade, como a adaptação à língua, à cultura, ao clima e ao solo. Para ele, a persistência dessas pessoas conseguiu transformar Castro na Capital Nacional do Leite”, conta o vereador.

Rabbers relata que a primeira passagem de Frans Borg pela Castrolanda durou dez anos. Em 1984, decidiu ser produtor de grãos, “pois era uma oportunidade imperdível e que trouxe muita satisfação e bons resultados para ele”. “Mas, mesmo durante esse tempo, [Borg] permaneceu associado e apoiando a cooperativa”, diz Rabbers. Em 1992, Borg passou a integrar o Conselho de Administração da cooperativa – primeiro como vice-presidente e, a partir de 1996, como presidente. “Naquela época, Frans dizia acreditar que não estava preparado para o cargo, mas o aprendizado que ele adquiriu com os produtores quando trabalhou na assistência técnica foi fundamental para que ele integrasse a diretoria por 24 anos”, destaca Rabbers.

“Devido ao avançado da idade e a problemas de saúde, Frans decidiu não continuar na direção da cooperativa [...]. Segundo ele, durante a caminhada [...] ajudou a construir os princípios do cooperativismo na cooperativa, acreditando nos valores e na evolução da história e que se sente muito grato por ter feito parte de tudo”, segue a justificativa. Segundo informa Rabbers, Borg diz que a grande vantagem da cooperativa é que “nunca você está sozinho, principalmente na tomada de decisões importantes”, pois conta com o apoio de conselheiros, comitês, associados, colaboradores, parceiros e entidades como a Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar) e a Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), “com os quais é possível refletir em conjunto para o bem comum da organização e da sociedade”.

‘Pai da intercooperação’

Na justificativa, Rafael Rabbers também cita impressões de outras pessoas sobre Frans Borg. “Eu tive a oportunidade de acompanhar o seu trabalho e destaco a serenidade, a sabedoria, ao colocar as palavras e a confiança no cooperativismo e no trabalho coletivo”, afirma Rabbers.

Para José Roberto Ricken, presidente da Ocepar, Borg é um “cooperativista autêntico, uma liderança expressiva e um exemplo para as pessoas que estão entrando no cooperativismo”. Para Ênio Karkow, diretor executivo do Centro de Treinamento para Pecuaristas (CTP), Borg “não ocupa simplesmente um cargo, mas ele abraça uma causa, com comprometimento, responsabilidade, integridade e humildade”.

O produtor rural Eduardo Gomes Medeiros, presidente do Sindicato Rural de Castro, afirma que “Frans Borg é um executivo que lidera pelo exemplo” e “que tem muito para contribuir, ainda, com os Campos Gerais e Castro”. Para Erik Bosch, presidente da Capal Cooperativa Agroindustrial, de Arapoti, Borg mereceria “um título de ‘pai da intercooperação’”.

Richard Borg, vice-presidente da Castrolanda, destaca “as características de retidão e de imparcialidade, buscando aplicar a justiça sempre em consenso, que são as características ímpares de um líder cooperativista”. O filho de Frans Borg, Pablo, ressalta que, “mesmo com tantas reponsabilidades, ele nunca deixou de pensar na família, de estar presente, dando orientação, conselhos, conhecimentos e, principalmente, transmitindo através de atitudes e ações os valores”.

No final da justificativa, Rafael Rabbers cita uma frase de Frans Borg: “Os povos que vencem são os que se ajudam e sabem acelerar seus processos de ação a serem unidos para construir”.

***

Câmara realiza 25ª sessão ordinária mista

A Câmara Municipal de Castro realizou, na noite da última segunda-feira (16), a 25ª sessão ordinária da sua história realizada de forma mista, conforme a Resolução 04/2020 – com sete vereadores presentes no Plenário e cinco em suas casas, de acordo com determinação do Ministério da Saúde a pessoas com mais de 60 anos, em função da pandemia do novo coronavírus. Participaram presencialmente da sessão, no Plenário, a presidente da Câmara, Fatima Castro (MDB), o primeiro-secretário Maurício Kusdra (PSB), o segundo-secretário Rafael Rabbers (PTC), Gerson Sutil (PSC), Miguel Zadhi Neto (Patriota), Dirceu Ribeiro (Podemos) e Paulo Cesar de Farias (PSD). De suas casas, por videoconferência, participaram o vice-presidente Herculano da Silva (DEM), Joel Elias Fadel (Patriota), Jovenil Rodrigues de Freitas (Podemos), José Otávio Nocera (Patriota) e Antonio Sirlei Alves da Silva (DEM).

Logo no início, Fatima colocou em discussão as atas das sessões extraordinária e ordinária do último dia 9 – que foram aprovadas por unanimidade. Depois, a vereadora pediu para que Kusdra e Rabbers fizessem a leitura do expediente. Foram lidas três proposições – dois requerimentos e uma indicação –, além de um ofício encaminhado à Câmara pelo Executivo.

Após a leitura do expediente, tendo em vista o fato de o vice-presidente da Casa, Herculano da Silva, estar participando da sessão por videoconferência, Fatima Castro solicitou a Maurício Kusdra que a substituísse na Presidência e a Paulo Cesar de Farias que assumisse “ad hoc” a Primeira-Secretaria, para que ela pudesse falar na Tribuna, conforme inscrição no Pequeno Expediente (leia texto abaixo). De volta ao posto, Fatima agradeceu os dois colegas e pediu a Rafael Rabbers para que fizesse a chamada dos vereadores presentes na sessão. Foram registradas 12 presenças e a ausência de Luiz Cezar Canha Ferreira.

Em seguida, Fatima encaminhou os projetos de lei 60/2020 e 71/2020 para a os membros da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), “pois já cumpriram o prazo disposto previsto na Lei 3.573/2019 e voltam a tramitar”. O Projeto de Lei 60/2020, de autoria de Joel Elias Fadel, dá o nome de “João Maria Ferraz Diniz” ao Canil Municipal. Já o 71/2020, de Miguel Zadhi Neto, dá o nome de “Armando Adenir Rodrigues – Ki” ao ginásio de esportes localizado no Jardim Alvorada.

Em discussão e votação únicas, foram aprovados, por unanimidade, dois requerimentos de autoria de Joel Elias Fadel e Herculano da Silva (leia matérias abaixo). Em segundas discussão e votação, além do Projeto de Lei 78/2020, também foi aprovado o Projeto de Lei 77/2020, de Miguel Zadhi Neto, que dá o nome de “João Antônio Colaço” à travessa A, localizada no bairro do Tronco. Os pareceres da Procuradoria Jurídica e da CCJ, ambos favoráveis, já tinham sido lidos na sessão do último dia 9.

Na Palavra Livre, a exemplo de Fatima Castro, outros cinco vereadores também falaram sobre o resultado da eleição municipal, ocorrida no último domingo (15): Joel Elias Fadel, Maurício Kusdra, Dirceu Ribeiro, Miguel Zadhi Neto e Rafael Rabbers (leia matéria abaixo). Em seguida, Fatima convocou Neto para fazer a saudação à Bandeira Nacional. O vereador leu a poesia “Nosso Brasil Paraíso”, de Rafaela Lins Cropolato Gomes, estudante do Colégio Estadual Major Vespasiano Carneiro de Mello, localizado no bairro Primavera.

“Nosso Brasil Paraíso

 

O Brasil é um paraíso

Tem todo encanto e beleza

Sempre a sua defesa

 

O verde representa a mata

O amarelo ouro

A faixa “Ordem e Progresso”

O amor por base

Progresso por fim

Será que é tão difícil seguir a vida assim?

 

Tudo em nosso Brasil nasce simples e natural

Nosso céu é mais azul

Cor de anil celestial

A cor branca da bandeira

É de paz universal

 

O céu bordado de estrela

Para todo lado eu diviso

Não tem lei do aborto

Por ser ter um bom juízo

Há inferno em toda parte

O Brasil é o paraíso”

Ao final, Fatima convocou os vereadores para a sessão ordinária da próxima segunda-feira (23), às 19 horas.

***

Leia, na íntegra, pronunciamento de Fatima Castro, na Tribuna

“Olá, boa noite a todos os vereadores, [aos] servidores presentes aqui no nosso Plenário, ao público que nos acompanha. Agora não é “ouve”, [vereador] Maurício [Kusdra, PSB, primeiro-secretário], agora é “que nos assiste”. A gente está tão acostumada, que era ‘aqueles que nos ouvem’, agora ‘aqueles que nos assistem de suas casas’. Uma vez que, graças ao nosso esforço e trabalho, hoje, a nossa sessão, que é um orgulho, [...] é transmitida ao vivo em vídeo para toda a população. Hoje, eu faço uso da Tribuna para registrar a minha gratidão a todos os 835 munícipes que confiaram no meu trabalho, que me honraram com o seu voto. Infelizmente, o jogo político é bastante complexo e cheio de surpresas. Eu não me elegi para representar a população na próxima legislatura de 2021 a 2024, mas eu continuarei trabalhando, como sempre trabalhei, pelo bem dos castrenses. É verdade que, sem o mandato, meu trabalho fica limitado, mas eu não vou me enfraquecer. Minha caminhada é bastante extensa e eu me orgulho muito disso. Tenho convicção [de] que, durante esses oito anos em que estive eleita, trabalhei arduamente para honrar cada voto recebido. Gostaria, sim, de dar continuidade a esse trabalho junto à Câmara Municipal, mas, infelizmente, esses não foram os planos de Deus para a minha vida, neste momento. Tenho fé em Deus e sei que Seus planos não precisam ser entendidos por nós, mas aceitos e seguidos. Em anos passados – todos sabem que eu sou servidora do município há 25 anos – eu passei por uma situação quando eu deixei a direção do Cmei [Centro Municipal de Educação Infantil] Pequeno Reino, que era, pra mim, a minha vida, na época. E aquilo, pra mim, foi terrível, eu não conseguia ver nada diferente pra mim, naquele momento. E alguém me mandou um e-mail de um lugar distante e disse assim: “Nada do que você fez será apagado. Aproveite este momento para alargar seus horizontes”. E [...] eu não via nada de diferente. Pra mim, era tudo trevas, naquele momento. E, de repente, eu me deparei com uma placa anunciando o vestibular pra Serviço Social. Pensei: ‘Vou me ocupar’. Acabei fazendo o vestibular, passei, entrei na graduação de Serviço Social, outras portas se abriram pra mim. E se eu não tivesse saído da direção do Cmei, naquela época, eu não seria uma vereadora. Então, muitas vezes, Dirceu [Ribeiro, Podemos], a gente não entende os planos de Deus pra nossa vida. Tenho certeza que você também queria estar eleito, assim como eu, assim como o Seu Herculano [da Silva, DEM, vice-presidente], assim como o [Antonio] Sirlei [Alves da Silva, DEM]. Não são os planos de Deus pra nós, neste momento. Acho que cada um de nós fez o [seu] trabalho. Eu tenho muita fé nisso. Eu espero que, em breve, eu possa estar, novamente, representando a população com o meu trabalho frente ao Poder Público. Seja como uma servidora do município, que sou e continuarei sendo, seja de uma outra forma. ‘Quem é de luta, luta’ – uma fala do meu grande amigo Maurício [Kusdra, PSB, primeiro-secretário]. Além de agradecer aos votos recebidos, e agradecer à equipe que trabalhou duro, comigo. As pessoas que me ajudaram, a minha família, os meus amigos, as pessoas que acreditam nesse projeto que não era meu, era nosso. Eu quero agradecer muito [a] essas pessoas e agradecer os votos recebidos. Eu também quero dar boas-vindas aos novos vereadores. Está aqui o [Professor] Jonathan [PSC]. Você sabe que eu torcia muito por você. E você está aí, e vai fazer um trabalho brilhante, que eu sei. E você, Jonathan, lá no passado, acompanhava meu trabalho como diretora do Cmei, aquela ‘loucuraiada’ toda que eu fazia, os vídeos, os filmes que eu fiz do Pequeno Reino, você sabe do amor que eu tinha pelo Cmei, assim como você, no dia a dia, demonstrou o amor que você tinha pela tua escola. E a comunidade escolar reconheceu o teu trabalho. Não só a comunidade escolar. Foi além dos muros do Caic (Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente). A sociedade reconheceu. Está aí a quantidade de votos expressivos que você teve. Então, eu quero dar boas-vindas aos novos vereadores eleitos para a próxima legislatura, desejar [...] a continuidade dos trabalhos dos vereadores reeleitos. Que Deus abençoe cada um de vocês. De coração. Nossas divergências à parte, que nós temos, que é normal num ambiente político, mas eu respeito a eleição de cada um de vocês, vocês me conhecem. Eu defendo o Legislativo, o Poder Legislativo. Muitas vezes, as nossas divergências foram por causa disso, por defender o Poder Legislativo. Eu desejo, do fundo do coração, que vocês tenham  uma trajetória brilhante, como eu sei que terão. Que seja realizado o trabalho de vocês com excelência, para o benefício da população castrense. Nunca esquecer disso. Nós representamos o povo, as pessoas. Nós representamos o povo e os interesses da população devem estar acima dos nossos interesses; interesses particulares. Quero dizer que não estarei aqui como vereadora. Brinquei com o [Miguel Zadhi] Neto [Patriota] pra ele me contratar como administradora da Câmara. Mas continuarei fiscalizando o Poder Público enquanto cidadã castrense. Porque o nosso trabalho não para. Não é porque não estou eleita vereadora que deixarei de contribuir com o meu município. Mais uma vez, agradeço imensamente a todos aqueles que depositaram em mim a sua confiança, mais uma vez. Eu sei como eu consegui cada voto desse. Não tem preço. Oitocentas e trinta e cinco pessoas acreditaram em mim, confiaram no nosso trabalho, e eu sou imensamente grata a cada uma delas. Quero agradecer aqui, desde já, não é uma despedida, ainda, porque o meu mandato termina no final do ano. Quero agradecer, novamente, à equipe da Câmara, os servidores que trabalham conosco, que ajudaram, que as nossas ações de gestão – como a nossa transmissão ao vivo da sessão on-line, acontecesse. A vocês, a minha gratidão, o meu respeito a cada um de vocês. Com a cordialidade que é de praxe, cumprimento os nobres pares e encerro a minha fala. Não fique triste, Dirceu. Às vezes, a gente não entende, mas Deus tem planos maiores pra nós. Pode ter certeza. Obrigada.”

***

Três vereadores agradecem pela reeleição, no domingo

Três vereadores da Câmara Municipal de Castro agradeceram pelas respectivas reeleições, obtidas no pleito do último domingo (15), durante a Palavra Livre da sessão ordinária da segunda-feira (16): o primeiro-secretário Maurício Kusdra (PSB), Miguel Zadhi Neto (Patriota) e o segundo-secretário Rafael Rabbers (PTC). Joel Elias Fadel (Patriota), que também foi reeleito, parabenizou os quatro novos vereadores; e Dirceu Ribeiro (Podemos), que não se reelegeu, agradeceu pelos votos obtidos.

“Em primeiro lugar, quero agradecer aos eleitores que confiaram em mim, mais uma vez. Essa eleição foi uma eleição muito atípica. Acredito que todos nós saímos surpresos com o resultado das urnas”, disse Kusdra. “Nós nos unimos [...] num [...] partido antigo, porém numa construção nova, [...] com candidatos novos, acreditando numa nova possibilidade. [...] o meu voto não é apenas o meu voto, é o voto dos 16 colegas, companheiros de partido. [Quero] agradecer a cada um deles”, afirmou.

Kusdra também parabenizou os vereadores reeleitos e prestou solidariedade aos não reeleitos, “em especial à senhora presidente, Maria de Fatima Barth Antão Castro [MDB]”. “Presidente e uma amiga pessoal. Fico muito triste de não termos uma mulher [...] nesse novo mandato, muito embora os nomes estavam lá, as pessoas tinham a possibilidade de escolher”, disse o vereador, ressaltando que Fatima “deixou uma marca” na Câmara”. “Não te acompanhei no primeiro mandato, apenas no [...] segundo [...], fiquei muito feliz de poder participar um pouquinho da tua trajetória, na eleição do Conselho Estadual das Cidades”, relatou, lembrando que a eleição da Presidência da Câmara, no início de 2019, foi “muito controversa, com muitas questões”. “Porém, chegando ao final, podemos dizer: elegemos uma mulher depois de trinta anos”, lembrou Kusdra, ponderando que chegou a fazer algumas críticas a Fatima, uma delas sobre as decisões em torno da pandemia do novo coronavírus, como, por exemplo, o fato de o prédio da Câmara ter permanecido fechado durante algum tempo. Mas reconheceu que “tivemos um controle, aqui, da pandemia”.

Na avaliação de Kusdra, as duas “grandes conquistas” da administração de Fatima, como presidente, são a viabilização da transmissão ao vivo, em vídeo, das sessões, pela plataforma YouTube, e o projeto de construção de um espaço próprio para preservação do acervo de documentos antigos da Câmara. “Espero que o futuro presidente [...] possa continuar [esses projetos], indiferente de quem idealizou. [...] Castro é uma cidade histórica e nós temos que ter um acervo histórico da Câmara”, defendeu.

“Fatima, vá em paz, siga o teu caminho, saiba que você deixou uma história na Câmara. Você é uma mulher trabalhadora, [...] guerreira, [...] de posicionamento. Você vai fazer falta, aqui na Câmara. As mulheres vão fazer falta [...]. Isso a gente não pode negar. Nós tivemos três mulheres, depois uma mulher, agora nenhuma mulher. Vai ter só homens nessa legislatura”, continuou Kusdra, desejando aos “colegas vereadores” que cumpram seus novos mandatos “com sabedoria, com discernimento”.

“Infelizmente, essa eleição foi marcada por muitas questões, por muitos problemas, por compras de votos, nós tivemos até vereador preso. [...] Isso me deixa triste, porque não precisa [...] pode ganhar ou perder, mas que seja na raça, que seja com a coragem, com a ética necessária”, continuou Kusdra. “E aos vereadores novos, [...] vamos tentar fazer uma cidade mais justa e solidária, isso é importante”, finalizou.

‘Trabalho limpo’

Miguel Zadhi Neto agradeceu “às 1.211 pessoas que confiaram no meu trabalho, que acreditaram no meu trabalho e me deram a oportunidade de estar aqui, novamente”. “Também gostaria de agradecer minha família, meus amigos e as pessoas que estiveram envolvidas na minha campanha. A gente fez um trabalho limpo, um trabalho honesto”, complementou.

O vereador relatou, porém, que alguns fatos o deixaram “um pouco abalado, triste, [por] ver que ainda existem pessoas que agem muito mal”. “Atacaram muito o prefeito Moacyr [Elias Fadel Junior, Patriota, que concorreu à reeleição], mentiram muito a respeito dele. Mas tudo está nas mãos de Deus. As respostas vieram nas urnas”, disse.

“Também gostaria de registrar, aqui, que teve uma sujeirada, aí, alguns vereadores que foram detidos [sic]. Eu não compactuo com isso. Eu acho que a gente é amigo de todos, e a gente, como vereador, não pode compactuar com isso, porque é a mesma sujeira e a política suja”, continuou Neto. “Agradeço a todos e também parabenizo os vereadores novos que entraram, tenho a certeza que são pessoas extremamente competentes e que vão nos representar muito bem e representar a nossa cidade muito bem”, concluiu.

‘Aprendizado’

Rafael Rabbers, além de agradecer pelos 709 votos que obteve, no último domingo, também falou sobre os quatro vereadores que não conseguiram se reeleger – Fatima Castro, o vice-presidente Herculano da Silva (DEM), Antonio Sirlei Alves da Silva (DEM) e Dirceu Ribeiro. “Sigam em frente. Como vocês sempre disseram, vocês talvez tenham um outro propósito, agora, na vida. Isso aqui é uma passagem na nossa vida, é um aprendizado que a gente leva para o resto da vida. Com certeza, vocês deixaram o legado de vocês”, afirmou. “Sirlei e Herculano com vários mandatos, Sirlei sempre muito sabedor do município, de muitas coisas. A gente sabia. Quando tinha uma homenagem, algo que era de uma pessoa, ele descrevia o histórico dessa pessoa”, lembrou o vereador. “Fatima, firme, continue, com certeza você vai ter algo diferente na tua frente, no teu caminho. Sempre firme, forte, pode contar sempre com a gente, também”, completou, também parabenizando os quatro novos colegas.

Solidariedade

Joel Fadel parabenizou os quatro novos vereadores para a legislatura 2021-2024, “que é o Guto Beck, o Jonnathan Flugel, o Professor Jonathan, o mais votado, e o Zeca do Abapan [Joel Zeca], que retorna a esta Casa”. “Quero deixar a minha solidariedade ao colega Cezar do Povo [Luiz Cezar Canha Ferreira, DEM, que ficou preso durante mais de 24 horas, entre domingo e segunda-feira, por suposta ‘compra de votos’]”, disse Joel. “O Cezar é uma pessoa maravilhosa e só faz bem aos outros. Então, eu queria deixar, aqui, a minha solidariedade. [...] Senti muito o que aconteceu com ele, muito triste com o ocorrido”, complementou.

‘Cabeça erguida’

“Em primeiro lugar, quero agradecer a Deus pela vida, pela força que me deu nessa campanha. E, graças a Deus, fiz uma campanha limpa, honesta. Não deu, desta vez. Mas quero agradecer da mesma forma aos meus eleitores, os 390 votos que eu fiz”, disse Dirceu Ribeiro. “Não posso dizer que não fiquei triste. Fiquei triste, sim, pois eu queria me reeleger, dar continuidade ao meu trabalho, ao qual sonhava em buscar mais conhecimento e aprender, com mais força na política. Não deu, mas quero, da mesma forma, agradecer. [...] Fiz uma campanha limpa e honesta, quero andar de cabeça erguida e dando valor e carinho à população da mesma forma, pois continuam as amizades, e a vida que segue”, afirmou.

***

Câmara tem renovação de 30,76%

De acordo com o resultado final das Eleições Municipais 2020, divulgado ainda na noite do último domingo (15) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), através do endereço eletrônico resultados.tse.jus.br, dos atuais 13 vereadores da Câmara Municipal de Castro, nove se reelegeram para a legislatura 2021-2024. Os quatro novos parlamentares significam uma renovação de 30,76%.

Os reeleitos são: Miguel Zadhi Neto (Patriota), que foi o segundo candidato mais votado, com 1.211 votos; Gerson Sutil (PSC), 869; Paulo Cesar de Farias (PSD), 822; Rafael Rabbers (PTC), atual segundo-secretário, 706; Luiz Cezar Canha Ferreira (DEM), 669; Mauricio Kusdra (PSB), atual primeiro-secretário, 586; Joel Elias Fadel (Patriota), 577; José Otávio Nocera (Patriota), 539; e Jovenil Rodrigues de Freitas (Podemos), 496.

Três dos quatro vereadores que não se reelegeram ficaram como suplentes: Antonio Sirlei Alves da Silva (DEM), com 628 votos; Herculano da Silva (DEM), atual vice-presidente, 395; e Dirceu Ribeiro (Podemos), 390. A vereadora Fatima Castro (MDB), atual presidente da Câmara, obteve 835 votos.

Os quatro novos vereadores são: Professor Jonathan (PSC), que conquistou a maior votação no pleito de domingo: 2.367 votos; Jhonnathan Flugel (Podemos), 1.142; Joel Zeca (PSC), que está retornando à Câmara, 1.041; e Guto Beck (PP), 792.

***

Joel Fadel sugere gratuidade do transporte coletivo

O vereador Joel Elias Fadel (Patriota) solicita, no Requerimento 274/2020, informações quanto à viabilidade de municipalizar e oferecer transporte público gratuito ou com tarifa reduzida, no sistema de transporte coletivo, reiterando o Requerimento 78/2020, também de sua autoria. Endereçado ao prefeito Moacyr Elias Fadel Junior (Patriota), o requerimento foi aprovado por unanimidade na sessão ordinária da última segunda-feira (16), na Câmara Municipal de Castro.

Conforme Joel relata, na justificativa do requerimento, alguns municípios do Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás, Ceará, Minas Gerais e Paraná oferecem transporte público gratuito, “isentando de pagamento aqueles que utilizam esse serviço para se deslocar até seus locais de trabalho, escolas e outros”. Ele cita o caso de Ponta Grossa, que “também se prepara para implantar um novo modelo tarifário no transporte público, nos aproximando dessa nova realidade”. “O que torna oportuno estudo que avalie um novo modelo de gestão e custeio do transporte público em nosso município”, afirma.

Joel argumenta que, ainda que tal modelo tarifário possa recair sobre a tese da inviabilidade financeira, em contrapartida impulsiona a economia, considerando que o valor economizado pelas famílias com transporte “poderá ser gasto em outras áreas”. “Outra lógica favorável da gratuidade está na redução da poluição e também dos congestionamentos, em razão do menor número de veículos particulares circulando”, completa.

“Esse requerimento é viável”, disse Joel, na discussão do requerimento. “É trabalhoso, porém, não é caro. Vale a pena continuar trabalhando. Ponta Grossa faz um estudo, também, com relação a isso, a parte jurídica é um pouco complexa, mas existe essa probabilidade porque nós já temos municípios que têm juridicamente correta a forma de fazer esse transporte gratuito para a população”, justificou. “Não é tão caro e é uma utilidade muito grande para a população”, concluiu.

***

Herculano pede voto de congratulações ao Conselho Tutelar

O vereador Herculano da Silva (DEM), vice-presidente da Câmara Municipal de Castro, pede, por meio do Requerimento 275/2020, Voto de Congratulações ao Conselho Tutelar de Castro pela passagem do Dia Nacional dos Conselhos Tutelares, comemorado na quarta-feira (18). O requerimento foi aprovado por unanimidade na sessão ordinária da última segunda-feira (16).

“A data é uma homenagem a essas pessoas que são escolhidas pela comunidade, através de voto popular, para defender os direitos da criança e do adolescente, nos municípios”, afirma o vereador, na justificativa do requerimento. Segundo ele, atualmente, são cerca de 30 mil conselheiros em todo o país “que atuam, por exemplo, no recebimento de denúncias de maus-tratos, violência sexual, trabalho infantil, entre outras violações de direitos”. “Também são responsáveis pela fiscalização e aplicação das políticas públicas direcionadas à população infanto-juvenil”, completa.

Herculano lembra que o Dia Nacional dos Conselhos Tutelares foi instituído pela Lei Federal 11.622, de 19 de dezembro de 2007. A função de conselheiro tutelar foi criada em julho de 1990, juntamente com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). “Um conselheiro tutelar deve lutar pelos direitos das crianças e adolescentes da sua comunidade. Esse cargo público implica exercer o papel de educador e orientador dos mais jovens, criando iniciativas que potencializem o desenvolvimento dessas crianças e adolescentes”, afirma.